PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Pede um Uber pra mim, golpe do delivery e outras fraudes que marcaram o ano

Flávio Tasinaffo

31/12/2019 04h00

No segundo semestre deste ano, o UOL me convidou para escrever este blog sobre golpes e dicas de como se proteger.

O blog é um dos desdobramentos de um projeto pessoal de municiar a população com informações sobre a indústria do estelionato no Brasil. A exposição no maior portal noticioso do país vai além do reconhecimento deste esforço; o importante, neste caso, é o alcance deste trabalho. Estar no UOL é saber que o conteúdo irá chegar a muitas pessoas. O texto sobre um golpe aplicado contra motoristas do aplicativo UBER alcançou, sozinho, quase 700 mil pessoas até agora.

Nossa segunda maior audiência também envolve a prestação de um serviço que está no cotidiano das pessoas: a entrega de comida por aplicativo. A matéria que expôs o golpe do delivery, aplicado por alguns entregadores, tornou-se, no dia de sua postagem, a mais lida do portal UOL.

Matéria sobre o golpe do delivery foi a mais lida do UOL no dia de sua publicação

A primeira publicação ocorreu em 11 de Setembro e foi sobre o golpe do motoboy. Além de explicar sobre esta verdadeira armadilha preparada pelos criminosos e que fez muitas vítimas no decorrer do ano, divulguei uma condenação imposta ao Banco Itaú, evidenciando, desde o princípio, que meu compromisso seria sempre com o leitor, escrevendo com independência política e comercial.

Abordei crimes contra os aposentados, como o desconto indevido na aposentadoria e o golpe do pecúlio.

Conversamos sobre golpes antigos e que ainda fazem vítimas, como o golpe do bilhete premiado.

Golpe do Bilhete Premiado faz vítimas há décadas.

E golpes mais modernos. Criminosos, por exemplo, já usam maquininhas de débito e crédito durante o sequestro relâmpago.

Procurei demonstrar como  os golpistas são oportunistas e inescrupulosos. O Brasil tem mais de 12 milhões de desempregados, então, os criminosos prometem falsas vagas de trabalho.

Agendam saques de FGTS para cometer o crime da saidinha de banco.

E, no golpe das despesas hospitalares, não perdoam nem mesmo quem está internado precisando de cuidados médicos.

A internet e as redes sociais tornaram-se aliadas dos golpistas. Entrevistamos uma vítima que comprou uma TV em um site falso divulgado no Facebook e, a partir de sua história, apresentamos dicas de como evitar este golpe cada vez mais comum. Além do site falso, ela foi vítima de um golpe muito frequente no Brasil, o do boleto falso, que pautou outra de nossas matérias.

Conversamos com especialistas em suas respectivas áreas: corretor de imóveis para orientar sobre o golpe da casa na praia e psicóloga para explicar de maneira muito mais embasada o que leva uma pessoa a tornar-se vítima do golpe do amor.

Golpistas são capazes de trocar o seu cartão em um momento de distração e substituir as maquininhas de débito e crédito de estabelecimentos comerciais.

Trouxemos dicas para que você não fosse enganado em relação aos preços da Black Friday e abordamos temas diversos como as armadilhas que envolvem a contratação de seguro para celular e o risco ao  qual você se expõe ao completar o óleo do seu carro em um posto de combustível.

Finalizo o ano agradecendo por mais de 1,5 milhão de acessos às reportagens do blog e aos quase 30 mil fiéis seguidores de nossas redes sociais e ratificando, para o próximo ano, os compromissos de informar, de forma clara, sobre os principais golpes aplicados no Brasil e de trazer dicas valiosas para que você possa se proteger.

Você, caro leitor, pode pautar este blog. Sugira, participe, critique. Todos os comentários são lidos e avaliados.

Semana que vem temos conteúdo novo no blog. Até 2020!

Sobre o Autor

Flávio Tasinaffo é advogado, pós-graduado em Direito Penal e Processual Penal Econômico e tem 35 anos de experiência no segmento de prevenção à fraudes

Sobre o Blog

O blog Tudo Golpe é a extensão de um projeto criado por Flávio Tasinaffo (http://tudogolpe.com.br/) com o objetivo de alertar e ajudar as pessoas a não caírem em golpes rotineiros.